Arquivo da categoria: Vídeos da Internet

As porcarias aleatórias que eu fiz

Sim, eu sei, procrastinando em atualizar o site, buá, buá.

2012 foi uma ano muito produtivo pra mim, visto que quando você estuda cinema você é meio que forçado a fazer coisas relacionadas com o tema. Eu fiz algumas análises de filmes nacionais, apenas uma das quais eu tive coragem de colocar aqui, e andei fazendo análises pequenas de lançamentos internacionais em sites como filmow, que é basicamente a desculpa que eu dou para mim mesmo de não estar publicando nenhuma análise aqui.

Mas dane-se o que eu falei mal ou falei bem, eu sei que o que vocês querem saber é o que eu fiz por conta própria, porque eu sei que toda vez que um de vocês lê uma crítica que esfola completamente um filme ou jogo que você gosta, um dos primeiros pensamentos que passa pela sua cabeça é “o que será que vai ter para o almoço hoje?” Mas depois que vocês param de divagar, vocês pensam “eu queria ver se esse babaca consegue fazer melhor”.

E no geral a resposta é não. É muito mais fácil fazer uma crítica de um filme ruim do que é fazer um filme bom. E o problema é que quando você consegue enxergar os erros em um produto que foi feito por um crítico daquele produto, você ganhou. Você absorve todos os poderes dele , passa pela Ressureição e finalmente adquire o Prêmio que todos  os imortais almejam… não, espera, isso é Highlander. Leia o resto deste post

NNNOOOOO!!! NNYAAAAAHHHH!!!

OK, antes de mais nada, lembra daquele post que eu fiz há algumas semanas falando sobre os caras do Extra Credits? Bem, eles arranjaram emprego no Penny Arcade TV, então a partir de agora você pode ver os vídeos deles aqui: http://www.penny-arcade.com/patv/show/extra-credits. E se você liga para videogames em qualquer plano de existência, você é praticamente obrigado a assistir isso.

Enfim.

Eu gosto de Star Wars. Eu gosto de tudo desde o barulho dos sabres de luz até o rosto sem expressão e ainda assim estranhamente intimidador do Darth Vader, passando pelos grunhidos do Chewbbaca e as frases sábias do Mestre Yoda. Sim senhor, a trilogia antiga do Star Wars é um clássico.

E aí veio aquele idiota do George Lucas e estragou tudo.

Não, eu não estou falando só da trilogia nova, eu admito sim que ela no geral é uma porcaria, mas ainda tem seus momentos, especialmente a luta entre Yoda e Imperador Palpatine (e eu juro que se alguém defender a criação do Jar Jar Binks como um personagem realmente divertido eu vou me enforcar com meu próprio intestino). O que eu estou reclamando é o fato de George Lucas não se cansar de mudar as cenas da trilogia antiga todas as vezes que faz uma remasterização nova. E eu acho que agora ele acabou de fazer a pior de todas.

Você se lembra da cena no final de “O Retorno de Jedi”, onde o Vader resolve ajudar o Luke e joga o Imperador no poço? Era um momento climático do filme, e um momento onde tudo finalmente era solucionado. E a parte mais incrível é que Vader não dizia nada. Ele só ficava lá, parado, olhando o Imperador eletrocutar Luke, seu filho, e olhava de um para o outro, tendo um debate interno, até finalmente decidir fazer a coisa certa e acabar com o Imperador de uma vez por todas. O grande tchans da cena está na falta de diálogo.

Até agora.

Na nova versão remasterizada para Blu-Ray, a cena foi editada, e inseriram um grito de “NÃÃÃÃÃÃOOOOO!!!!” feito pelo Vader que é completamente estúpido. Lembra no final de “A Vingança dos Sith”, quando o Vader gritava “não” por causa da mulher dele ter morrido? Já era idiota lá, e continua aqui. Eu suponho que o George Lucas queria justificar a existência daquele grito fazendo com que ele passasse a ser recorrente.

Aqui, olha só:

Sinceramente, eu estou cada vez mais convencido que a trilogia original foi tão boa desse jeito por puro acidente. O George Lucas claramente não tem a menor noção do que fez os filmes antigos dele serem bons, e ele faz questão de continuar mexendo neles, estragando mais e mais sua obra-prima. É deprimente.

Bem, mudando um pouco de assunto dentro do departamento “gritos idiotas”, eu assisti ao último filme do Harry Potter mês retrasado, e reparei novamente em algo que fica aparecendo desde o quinto filme: o grito do Voldemort.

Você sabe do que eu estou falando. Toda vez que o Voldemort lança um feitiço, ou está com raiva, ou faz praticamente qualquer coisa que requer esforço, ele solta um gemido que eu só consigo escrever como “NNNNNYAAAAAAAAAHHHHH!!!!”

Por exemplo:

(E isso é só no trailer do último filme, o filme em si tem ainda mais)

Não é ameaçador, não tem nada a ver com o personagem, só é cômico. Eu ainda não entendi o propósito disso, mas no último filme estava tão frequentemente que eu sinceramente perdi a conta de quantas vezes ele soltou o grito.

Erm, yep. Isso é basicamente tudo que eu tenho pra postar.

Ah, pera, tinha essa tirinha relacionada:

Comic #30

Tchau.

Sa-Botando um Novo Post (nossa, essa foi ruim)

Nova análise publicada, do jogo The Saboteur. Leia aqui.

Será que meu gosto com roupas é tão estranho assim? Eu realmente gostaria de ter um casaco de chuva e boina combinando igual ao protagonista desse game.

Vamos lá, admita, você também gostou.

Enfim, aqui está o esquete do Hitler do Monty Python, porque eu não consegui pensar em nenhum outro vídeo de humor do Youtube relacionado a nazismo que valesse a pena colocar.

Boa semana.

Extra Credits, e a Polêmica no Escapist

Leitores frequentes do meu blog sabem que eu sou apaixonado por videogames. Eu os vejo como uma nova forma de arte (uma que ainda está nascendo e portanto precisa de mais exploração para ficar refinada), e gosto de promovê-los para que um dia sejam tão difundidos quanto cinema ou literatura.

O que provavelmente poucos costumam lembrar é que eu sou um aspirante a designer de games também. Tenho algum conhecimento de programação e costumo brincar com programas de design de games como Game Maker, Unreal Development Kit, e Unity. Ainda não cheguei a fazer algo que mereça atenção mas pelo menos eu aprendo um pouco.

O caso é que um designer de jogos precisa de mais do que apenas saber programar e prototipar um game.  Você precisa (especialmente se planeja fazer um jogo pequeno e sem mais ninguém na sua “equipe”) saber um pouco de psicologia, para projetar o cenário de uma forma que faça o jogador saber intuitivamente para onde ir. Você precisa prestar atenção aos detalhes que criem um mundo próprio, e precisa saber caracterizar esse mundo e os personagens que vivem nele (no caso isso é um pouco mais a função de um roteirista, mas novamente, eu estou supondo que você está fazendo tudo sozinho, ou que pelo menos supervisiona o projeto inteiro).

No geral, existem muitos livros caros falando sobre esses assuntos, e é um pouco difícil saber qual é o melhor. Felizmente, existem dois caras que fazem vídeos para ainternet e falam muito sobre o assunto: James Portnow, designer de games profissional, e Daniel Floyd, animador na subdivisão do Canadá da Pixar. Juntos (e com a ajuda da ilustradora Allison Theus), eles criaram uma série de vídeos no YouTube chamada Extra Credits, que você pode ver no canal http://www.youtube.com/user/kirithem .

Mas então, os vídeos ficaram muito populares, e o grupo acabou sendo contratado pelo site de jogos Escapist Magazine, o mesmo que contratou o crítico de jogo Ben “Yahtzee” Croshaw, do qual eu já falei aqui antes. Então os outros vídeos foram para nesta página aqui http://www.escapistmagazine.com/videos/view/extra-credits .

Agora, antes de entrar na próxima parte, eu quero dizer que todos os vídeos deles são o máximo, e que você deveria ir ver agora. Eles são interessantes até mesmo para que só gosta de jogar games mas nunca quis virar um designer. Para pessoas que querem virar designers, como eu, é uma verdadeira mina de ouro. Eles falam sobre quais as habilidades que um bom designer precisa, o que faz um bom game de terror, como tratar se assuntos como diferença de opção sexual e integração social em jogos, como adaptar gêneros de games ao novo mercado online de microtransações como os games de Facebook, etc, etc.

Mas enfim, recentemente eles tiveram um monte de problemas com o site, porque aparentemente não estavam sendo pagos, e a ilustradora do grupo teve um problema no braço e precisava fazer uma operação para não perder completamente a capacidade de desenhar, e aí o site falou que tinha enviado todo o pagamento atrasado mas não enviou nada, e James e Dan angariaram fundos pelo Rockethub para pagar pela cirurgia, e o site disse que aqueles fundos pertenciam a eles por questões legais, etc, etc, e foi uma bagunça geral. Eu ainda não consegui compreender quem estava errado nessa história, mas se você se interessa em ler esse tipo de coisa, está tudo resumido aqui.

Mas enfim, com isso eles acabaram decidindo sair do site e voltar ao YouTube. Por alguma razão mudaram de canal, então os vídeos novos agora estão em http://www.youtube.com/user/ExtraCreditz .

E basicamente é isso. Divirta-se vendo todos os vídeos, tem material suficiente pra você ficar assistindo por uns dias. Agora se me dá licença,  vou voltar a jogar Terraria.

Novidades Sobre o Multiplayer de Portal 2

Bem, aparentemente gostaram dos meus posts-prévia de Bioshock Infinite e Batman: Arkham City, e como acabou de acontecer a Penny Arcade Expo nos Estados Unidos, tem muitas outras prévias pra comentar a respeito. Vamos começar pela que mais me interessa, Portal 2.

O primeiro Portal ainda é hoje em dia aclamado por muitos como o melhor jogo já lançado na história. Design icônico e bonito, história interessante, personagens cativantes e memoráveis, desafiador e criativo. O único problema era a duração curta, de cerca de duas ou três horas, mas era curto assim por ser mais um extra do que um jogo completo, lançado junto com o resto da The Orange Box, que já continha Team Fortress 2, Half-Life 2 e os Episódios 1 e 2 do mesmo.

Portal 2, por outro lado, pega a fórmula que fez tanto sucesso e a expande com novos conceitos. Se você ainda não viu a parte single-player, aqui está um trailer com um pequeno demo:

O resto do demo pode ser visto aqui e aqui.

Mas de qualquer forma, as novidades recentes são sobre a campanha multiplayer, que é por si só um jogo completo. Não é dependente da campanha solo, não é do tipo “campanha singleplayer, mas junto com um amigo”. Nope, são quebra-cabeças completamente novos e mais complexos, que só podem ser resolvidos usando quatro portais em vez de dois.

Como no modo cooperativo é muito mais comum um dos jogadores morrer, os designers da Valve acharam que protagonistas humanos não combinariam muito com o clima, então resolveram fazer dois robôs, tornando assim os momentos com mortes mais leves, e até bem-humorados. Aparentemente, os robôs se chamarão Orange e Blue, em referência à cor de seus portais.

Leia o resto deste post

Análise de Left 4 Dead 2 Publicada

Bem, uma análise a mais pra vocês: a de Left 4 Dead 2, um jogo que está oficialmente começando a ter números ao ponto de ficar idiota. Leia aqui.

Ah, e se você gosta de zumbis e de humor britânico, eu recomendo que assista o filme Todo Mundo Quase Morto.

Agora.

Por que você ainda não saiu para alugar?

Novidades Sobre Batman: Arkham City

Reparei que ultimamente muita gente tem acessado minha análise do jogo Arkham Asylum (SIM, EU FUI IDIOTA AO FALAR QUE O KILLER CROC NÃO ERA CONHECIDO, AGORA CALEM A BOCA), e eu acho que sei o porquê. Veja bem, a continuação de Arkham Asylum foi anunciada há alguns meses, e nos últimos dias têm aparecido muitas novidades a respeito.

O teaser trailer:

Sendo o cara extremamente respeitável e que só procura fontes confiáveis, eu fucei páginas da Wikipédia (har, har), e aqui vão algumas das coisas que já se sabe a respeito do jogo (não confie totalmente na maioria delas):

  • Se passa dentro de Gotham, em alguns quarteirões que agora funcionam como o novo centro de tratamento de criminosos;
  • O jogo será mais aberto, então além da história principal existirão missões secundárias;
  • Vilões confirmados serão o Coringa, Duas Caras, Sr. Gelado, Mulher Gato, Arlequina, Charada, Hugo Strange, Victor Zsasz, a filha do Raz Al-Ghul que eu não lembro o nome, e (possivelmente) Pinguim e Homem-Calendário;
  • O Batman já terá desde o começo do jogo todos os equipamentos que ele adquiriu no primeiro, significando que vai ter mais arsenal ainda;
  • O combate freeflow está atualizado, com novas habilidades como desviar de objetos que os inimigos jogam em você, e contra-atacar dois inimigos simultaneamente;
  • Dois novos equipamentos confirmados serão uma bomba de fumaça (para esconder sua fuga) e um receptor de rádio (para rastrear a origem de conversas, e tocar estações de rádio de Gotham);
  • O principal vilão da vez é o Duas Caras, que quer matar a Mulher Gato, a qual aparentemente será sua aliada no decorrer da história;
  • O Coringa ainda está doente e se recuperando do quanto apanhou no primeiro jogo, portanto não terá um papel tão grande quanto antes;
  • Mark Hamill (o Luke Skywalker), que dublou o Coringa no primeiro jogo e em vários outros games e desenhos da franquia, disse que essa será a última vez que ele interpretará o personagem;
  • Haverá um modo multiplayer, ainda não se sabe se será cooperativo ou um jogador versus o outro, mas há boatos de que o segundo jogador controlaria a Mulher Gato;
  • A Visão de Detetive foi alterada (ainda não se sabe exatamente como) porque os desenvolvedores souberam que a maioria das pessoas a deixavam ligada o tempo inteiro, estragando o visual do jogo;
  • A Rocksteady disse que o game já está pronto, mas eles só irão lançar no segundo semestre do ano que vem;
  • Dois movimentos novos são a habilidade de andar sobre cordas (como a fiação da cidade) e o “dive bomb” – se jogar de cara em cima dos inimigos;
  • Há vilões do game que são inimigos entre si (como Coringa e Duas Caras), e portanto será comum ver seus respectivos lacaios saindo na porrada entre si durante o jogo. Leia o resto deste post

E Tenho Dito

Quando esse blog está com poucos posts, as chances são altas de que eu estou provavelmente perdendo tempo assistindo vídeos no youtube, de PC Siqueira a trailers de filmes. Está praticamente virando um problema. Minha consciência fala comigo mais ou menos assim (no estilo “anjo em um ombro, diabo no outro”):

Eu Bom: Hey, vamos escrever umas análises para o blog!
Eu Mau: Não! Vamos assistir maspoxavida! Mwa ha ha ha!
EU: Humm, não sei… eu meio que preciso escrever alguma coisa, só publiquei dois posts nesse mês…
Eu Mau: Mas pode aparecer um novo trailer para o novo filme do Tron a qualquer momento na internet!
EU: Uuh, tou dentro.
Eu Bom: Maldito seja, Eu Mau! Você ganhou dessa vez!

Então de qualquer forma, eu fico fuçando muitos trailers de filmes, até mesmo os velhos, que eu nunca assisti. E consegui fazer algumas obvservações. Por exemplo, eu posso confirmar que se eu tivesse visto o trailer dos filmes Evil Dead antes de realmente assistir um deles, não teria gastado duas horas da minha vida vendo algo que só é engraçado por ser incrivelmente idiota. E eu também percebi que todos os trailers de filmes desde o começo dos tempos foram narrados pelo mesmo cara.

Todo e qualquer filme, seja romance, ação, comédia, teve o trailer narrado por esse cara. O cara que soa como se tivesse passado os últimos trinta anos fumando cigarros dentro de uma chaminé industrial. Sabe, AQUELE cara. Ele até fez a voz no trailer do Evil Dead que eu vi; ele até está fazendo os trailers de filmes de terror de merda! Com os montes de filmes que saem todos os meses, pulando desesperadamente no meio do mercado para conseguir atenção, esse cara provavelmente teve uma vida REALMENTE ocupada. Eu aposto que ele até já deve ter narrado alguns trailers de filmes pornô…

“NESTE VERÃO, MONICA MATTOS SERÁ POSSUÍDA VIOLENTAMENTE POR UM ORNITORRINCO DE MOTOCICLETA! E ISSO É BASICAMENTE TUDO QUE ACONTECE!”

Eu queria ter conhecido esse cara. Não só porque ele com certeza tem contatos com todo mundo que é associado com cinema em todo o planeta. Eu queria saber o que o motiva, o que o faz narrar todos os trailers com tanta determinação. Eu queria dar uma caixa de charutos para ele de Natal.

Como trailers não têm créditos (a não ser a respeito do filme em si), eu não consegui saber o nome dele logo de cara. Eu achei que uma voz tão incrível assim precisaria ter um nome igualmente incrível, como Don Razputin Alvares, ou Ian Wellington Mc’Awesome, ou algo assim. Ele seria um homem de três metros de altura, com uma barba grossa, troncudo como uma geladeira, com dois olhos brilhantes, vestido com uma capa preta, com um ventilador embutido para efeito dramático, e usando uma bengala com uma caveira de urso no fim. Nós sairíamos juntos e ele impressionaria o público parando bandidos só com o poder de sua voz, enquanto eu fico com todas as garotas tímidas demais para se aproximarem dele.

A melhor coisa a respeito de ter o Don/Ian como amigo seria que ele consegue fazer qualquer frase soar interessante. Por exemplo:

EU: O que você vai querer, Don?
DON: EU ACHO QUE VOU ESCOLHER A SALADA DE BATATA!
EU: Droga, o garçom desmaiou de novo. Da próxima vez peça só um copo d’água.
DON: GARÇONS FRESCOS MALDITOS!
(todas as mulheres no quarteirão ficam instantaneamente apaixonadas)

Sendo o cara extremamente ocupado que eu sou, eu resolvi reservar um pouco de tempo para pesquisar mais sobre esse cara. Eu fiz pesquisas no Google! Eu folheei livros extremamente grossos sobre o assunto! Eu dancei conga com os tigres encantados de Marte! E finalmente descobri! Leia o resto deste post

Projeto Icarus – Bioshock Infinite

É interessante como você pode se tornar algo que sempre se detestou se não tomar cuidado. Me deixe te explicar o conceito de um fanboy: fanboys idolatram um livro/filme/jogo/etc a um ponto extremo, mas chegam a levar isso a um patamar doentio. E não existe nada pior do que escutar um fanboy na hora de fazer uma continuação para a sua obra. Fanboys são idiotas que colocam a obra em um pedestal, e nunca, NUNCA vão ficar felizes com nenhuma alteração que você faça. Eles querem segurar a obra e fazer carinho dar banho e impedir que ela seja machucada por esse mundo feio e malvado. O quanto antes você calar a boca deles, mais feliz você ficará.

Do que eu estava falando? Ah sim, o novo Bioshock.

A produtora Irrational Games, que nunca consegue decidir o próprio nome direito, anunciou há algum tempo sobre o Projeto Icarus, o nome em código para o novo game que eles estavam desenvolvendo. Agora, foi revelado que esse jogo é na verdade um terceiro Bioshock, Bioshock Infinite, que dessa vez não se passa na cidade submersa de Rapture, mas sim na cidade voadora de Columbia. Leia o resto deste post

Nova Análise, e Novo Clipe do Ozzy

Bem, oi pra vocês. O computador do trabalho passou a bloquear a página de administrador do meu blog por alguma razão. Foi mal pela falta de Playlist.

Para compensar, aí vai o novo clipe daquela música do Ozzy Osbourne que eu tinha falado. É… bizarro. Muito bizarro.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

E além disso, tenho finalmente uma análise nova: a de Principe da Pér… ops, digo, Esquadrão Classe A. Você pode ler clicando nestas palavras.

Sim, a de Príncipe da Pérsia ainda não saiu. Não, eu não sei quando vai sair. O computador que tinha ela salva ainda está fora do meu alcance. Além disso, tenho provas esse fim de semana. Oh bem, não preciso ficar deprimido, ao menos eu tenho a minha saúde ATCHOO COFF sniff ah, merda.

Prazos, Trailers Forçados e Outras Coisas

Se você costuma acessar este blog com frequência, já deve saber que prazos não são algo com que eu me relacione bem (comentários sobre eu ainda não ter escrito como foi minha viagem para o Prêmio Escola Voluntária podem muito bem ir se danar, eu estou há meses perseguindo a desgraçada que fugiu com as fotos do evento, e se ela estiver lendo isto que fique claro que eu digo “desgraçada” só pelo humor, porque eu não acho realmente isso, e adoraria conversar amigavelmente, e aproveitar a chance para deixá-la inconsciente, pegar as malditas fotos e sair correndo). Eu costumo começar a escrever uma análise ou um post semanas antes de publicá-lo, porque no meio do processo de escrita eu resolvo procurar material na internet para construir melhor meu comentário, e acabo ficando perdido do mar de informações completamente irrelevantes, mas que são tão legais de se ler que não consigo parar (muito obrigado, TV Tropes).

E por isso, em vez de estudar e fazer redações atrasadas. eu estou aqui, preso na internet de novo, como um daqueles personagens do Farenheit, que era totalmente hipnotizado pela televisão e não conseguia entender que existiam outras coisas a se fazer na vida, como ler bons livros. Só que o problema é que eu também posso ler livros NA internet, o que ferra ainda mais o sistema.

Mas o caso é que eu estou navegando na web enquanto ouço à trilha sonora do Kdabra, e realmente acho que seria interessante falar a respeito do assunto. Se você não sabe, Kdabra é o nome de uma nova série de TV da Fox que tem como protagonista o ator que fazia o Diego no Rebelde (um homônimo do qual eu não tenho absolutamente nenhum orgulho). Mas, se você tem uma TV a cabo, com certeza já sabia disso, porque o que eu quero comentar aqui é como a TV a cabo é praticamente tarada na questão de fazer propaganda de novas séries (não, eu não vou comentar sobre como a série com certeza é podre, porque se você é brasileiro e tem um cérebro totalmente funcional, você sabe que qualquer produção televisiva latino-americana que não seja um telejornal e/ou não seja da TV Cultura e/ou não tenha o Marcelo Tas é obrigatoriamente pútrida). Eu não estou exagerando, o programa só vai estrear nesta semana, mas os trailers já estão passando há mais de 5 meses. Leia o resto deste post

Harrison Krix e Outros Autores de Réplicas

Harrison Krix. No dia em que eu for rico e famoso (eu vou ser, pensamento positivo é importante) eu preciso contatar esse cara pra algumas encomendas particulares. Quem é ele, você pergunta? Ah, ninguém em especial, eu respondo brincando, só um escultor genial que já fez grandes obras baseadas em objetos e personagens de video-games.

Eu simplesmente achei que um portfólio tão perfeito, ainda que pequeno, merecia uma menção aqui no blog. Então, vamos nessa, começando direto pelo que eu considero a melhor obra dele, uma roupa de Big Daddy (do Bioshock), que tem até mesmo uma broca funcional! Leia o resto deste post

IT’S OVER NINE THOUSAAAAND!!!

Ah, caramba, eu queria fazer esse post há meses. É idiota, curto, e não é original. Mas eu senti que simplesmente não podia perder a oportunidade.

Antes de ir ao ponto, uma atualização nas novidades. Como eu disse no último post, eu arranjei um emprego. Isso, junto com o meu cursinho pré-vestibular, está acabando com o meu horário livre, fazendo com que meu tempo para jogar, ler, assistir filmes e escrever análises das três coisas seja quase zero. O que não significa muita coisa, afinal eu já não postava com frequência antes, mas naquela época é porque eu estava jogando, assistindo e lendo muitas coisas, e não escrevendo a análise de nenhuma. Ou seja, é praticamente uma inversão de papéis. Oh, a ironia.

Mas não é um assunto tão preocupante, porque eu costumo ter uma ou duas horas quando chego do trabalho, tempo suficiente para escrever uma das muitas análises que deixei pendentes. Então eu espero conseguir tempo e iniciativa para publicar toda semana, com uma frequência regular, e já que estou sonhando acordado eu também quero uma mochila a jato para voar até o núcleo do sol e sobreviver.

Mas tendo dito isso, vamos ao ponto central. Enquanto escrevo este post, meu contador de acessos avisa que o blog chegou aos 9100 acessos. Se você gosta de procurar vídeos populares na internet, provavelmente já deve saber o que isso significa. Hehehe. Use seu poder de percepção. Isso mesmo, leitor, é mais de 9000.

Ou talvez eu deva dizer…

IT’S OVER NINE THOUSAAAAAAAAND!!!!!!!!!!

Obrigado pelos acessos!

Análise de Call of Juarez: Bound in Blood Publicada

Ok, imagino que já deva ser óbvio visto que eu sou um nerd, mas eu sou ridiculamente fã de filmes de faroeste. Simplesmente não me canso de ver dois caras, um com o chapéu mais legal que o outro, se encarando em um duelo no pôr do sol, simplesmente penetrando um ao outro com o olhar (não-gay), até que de repente um deles faz um gesto rápido para pegar a arma e KA-POW – o outro saca primeiro e atira, vencendo o duelo. Simplesmente nunca fica velho.

Portanto, você pode ler a análise de Call of Juarez: Bound in Blood aqui. E também pode ouvir uma das melhores música de faroeste já criada, um clássico atemporal:

Oo-ee-oo-ee-oo… Waa-waa-waaaa…

Como se Tornar um Jornalista de Sucesso

Como a maioria já sabe, foi dispensada a necessidade de um diploma de jornalismo para poder trabalhar na carreira… bem… jornalística. E por causa disso, muitas pessoas que pensavam em fazer uma faculdade sobre o assunto agora se sentem um tanto quanto perdidas, imaginando o que fazer.

Felizmente, algumas boas almas da internet (e por boas almas eu quero dizer Rafinha Bastos) resolveram pegar um vídeo americano ensinando a fazer sua própria reportagem jornalística e traduzi-lo para o português:

Vou começar a treinar agora mesmo.

%d blogueiros gostam disto: