Arquivo da categoria: Ciência e Tecnologia

Outros Acontecimentos Sobre Games em 2010

Muita gente me mandou e-mails, mensagens de MSN ou simplesmente falou na minha frente que eu deixei muito de lado na minha lista de melhores jogos de 2010. É verdade, o ano passado teve outros acontecimentos muito interessantes. Então para complementar o post anterior (e porque eu não pensei em nada melhor para escrever) aí vai mais uma lista. Dessa vez não só de melhores, mas também de piores, de coisas importantes, e de anúncios que deixaram todos os gamers animados.

Melhor Jogo de Corrida

Basicamente essa foi a categoria que me fez escrever outro post inteiro, então é a única que eu realmente quero debater. Me deixe dizer isso logo de cara: eu tenho um problema com jogos de corrida. Eu os adoro, mas sou horrível neles. Minha pouca habilidade com jogos de corrida só é eclipsada no quanto eu sou ruim em jogos de luta como Tekken e Street Fighter. Mas eu me esforço em conseguir progredir nos jogos de corrida, geralmente só parando depois de várias horas, que é quando começa a ficar repetitivo para mim. Mas o caso é: 2010 teve bons jogos de corrida?

Bem, sim e não. O gênero teve casos muito estranhos nesse ano que passou. Os três principais lançamentos foram Split/Second: Velocity da Disney Interactive Studios, Blur, e Need for Speed: Hot Pursuit (e Gran Turismo 5 se você tiver um PS3, mas eu não tenho como dar minha opinião nele).

Cada um deles tinha grandes idéias e potencial, balanceados por uma execução terrível. Split/Second combinava carros e explosões, algo que todo fã de ação sempre sonha. No entanto, ganhar nas corridas consiste mais em sorte do que habilidade, porque por mais que você tome a dianteira, nada garante que um dos inimigos não exploda um prédio na sua cara e te mande para último lugar quando você estava apenas a 10 metros da linha de chegada.

Blur era um pouco mais estilizado e visualmente bem interessante, mas possuía poderes para derrotar os outros carros, sofrendo do mesmo problema de Split/Second, algo que eu gosto de chamar de Síndrome de Mario Kart: poderes que podem aleijar totalmente o adversário e mudar totalmente o rumo da corrida em uma fração de segundo.

Need for Speed: Hot Pursuit também possuía poderes, mas eram bem balanceados e não chegavam a causar um grande problema. Além disso, a habilidade de jogar como o policial adicionou toda um novo estilo ao jogo. Tinha tudo para ser a minha escolha para o ano.

MAS!

Por acaso você já ouviu falar em “Rubber Band AI”?

Por exemplo: Você está jogando um game de futebol. Seu time está 5 gols na frente, tem 3 minutos faltando para o fim do jogo, e você está com a bola. Sua vitória é garantida, certo?

Nnnnão. Porque de repente o time adversário controlado pelo computador é duas vezes mais rápido que você, sabe para quem você vai passar a bola, para onde essa pessoa está correndo, e manda o time inteiro marcar esse cara. Ou então um jogador adversário consegue interceptar a bola no meio do ar e dá um chute do outro lado do campo, fazendo um gol que parece simplesmente um milagre. Isso se repete, e antes que você perceba você perdeu o que pensava ser uma vitória certa.

Por que isso acontece? Quanto mais você esticar um elástico,quanto mais ele puxa. É a mesma idéia aqui, e de onde vem o termo “Rubber Band AI” (Inteligência Artificial de Elástico). Basicamente, quanto melhor que você está em um jogo, o jogo se torna mais difícil, para continuar sendo um desafio. Isso não é evoluir a dificuldade de acordo com o seu progresso no jogo, isso é fazer com que o nível em que você está fique dez vezes mais difícil instantaneamente por nenhuma razão. Em outras palavras, o computador não ficou melhor, ele simplesmente trapaceou. Esse tipo de coisa é feita para tentar aumentar a dificuldade, mas é simplesmente irritante.

E isso acontece em NFS Hot Pursuit. Aliás, isso acontece em todo Need for Speed que eu me lembre. você pode estar cinco quilômetros à frente de todo mundo, correndo na velocidade máxima e usando nitro, para ver um adversário te ultrapassando com o dobro da sua velocidade. Que inferno.

Então todos os 3 jogos acabam sendo os melhores de 2010, porque nenhum realmente se destaca.

Leia o resto deste post

Novidades da E3 2010, Parte 1

Vamos aproveitar o tempo livre mais um pouco. A E3 2010 está para começar, então aí vão algumas das coisas que já foram pré-anunciadas:

  • Kinect (antigo Project Natal da Microsoft) – Eu admito que a idéia do Project Natal parece um tanto quanto revolucionária – eu já dediquei um post sobre ele no passado, que eu tenho preguiça demais para procurar, então vá você procurar, vagabundo – mas estou com um pé atrás em relação a ele. Para começar, as pessoas jogam videogames para relaxar, e ninguém relaxa pulando feito louco na frente da TV como se tivesse um caranguejo vivo na cueca. Além disso, a idéia é válida para jogos de corrida ou luta no estilo Punch-Out, mas uma pergunta que eu quero fazer há muito tempo aparece: o que você faz nos jogos em que o personagem precisa, sabe, andar? Quer dizer, em um jogo os personagens podem precisar andar uma distância equivalente à entre a Terra e a Lua, como exatamente o jogador vai conseguir fazer isso dentro de uma salinha apertada? Fazendo um Mo0nwalk? Ok, talvez isso possa ser resolvido colocando algo equivalente a uma esteira de ginástica, mas eu pensei que a idéia original do projeto era não precisar de nenhum controle intermediário. E além disso, supondo que você use a esteira, como vai fazer para andar em algo além de uma linha reta? Como virar para a direita e para a esquerda? Eu imagino que a resposta virá em breve e vai me fazer parecer um bobão sem criatividade, mas se não vier, vocês depois podem voltar neste blog e me idolatrar pelos meus poderes psíquicos.
  • Zelda: Skyward Sword – Zelda, Mario e Metroid são os queridinhos da Nintendo, não é mesmo? Eles não podem perder a chance de refazer o mesmo game de novo e de novo, especialmente no caso do Zelda – pois Zelda é um único jogo, com apenas uma ou duas alterações menores. Raios, até o Mario tem mais inovações a cada jogo, mesmo sendo que a história é sempre “Bowser pegou princesa, tchá tchá, pegue ela e bata nele, tchú tchú”. De qualquer forma, o jogo vai usar o Wii Motion Plus, o que vai permitir controles precisos para a espada, mas eu acho que a Nintendo vai precisar entender em algum momento que sem feedback físico, sensores de movimento tiram a imersão do jogo! Um ponto que aliás eu também devia mencionar para o Kinect. Esqueçam essa baboseira de sensor de movimento e comecem a trabalhar em desenvolvimento de cyberespaço, é lá que está o verdadeiro mercado consumidor!
  • Epic Mickey – Certo, então é um jogo do Mickey Mouse, mas com um ar sombrio e completamente longe da aparência adorável a que estamos acostumados.  Pra falar a verdade eu acho que soa o máximo. Mas eu estou desconfiando que não vai ser muito bom na prática, porque eu duvido que a Disney esteja financiando a completa destruição da imagem do seu personagem mais icônico. Se eles realmente fizerem isso, e o jogo for bom, eu tirarei meu chapéu.
  • Assassin’s Creed: Brotherhood – Um jogo de Assassin’s Creed multiplayer. Parece muito agradável, e uma idéia bem interessante. Mas Ubisoft, vocês não deveriam estar trabalhando em Assassin’s Creed 3? Quer dizer, vocês deixaram aquele final  em Assassin’s Creed 2 mais aberto do que o meu tímpano depois de ouvir uma corneta de vuvuzela (o Brasil acabou de fazer um gol, a propósito), vocês não acham que os fãs querem, sabe, descobrir o que acontece depois? Mas eu juro que se o Assassin’s Creed 3 resolver tirar o foco de História Antiga e passar a se focar exclusivamente no Desmond Miles eu vou me enforcar na maçaneta da porta.
  • Half-Life 2: Episode 3 – Não, não se empolgue, eu não estou escrevendo isso porque o jogo foi anunciado. Existem boatos de que ele será, mas ainda não foi confirmado. Mas seja como for, vocês não deviam ter lançado esse game há quase dois anos, Valve? A idéia de lançar um jogo em episódios é que você lança jogos mais curtos, em intervalos menores de tempo. Mas a Valve parece só atender ao primeiro requisito. Eu entendo que o sistema de design deles leva mais tempo porque eles se preocupam mais com a qualidade dos games (aliás eu nunca joguei um game da Valve que eu não tenha amado), mas vocês estão lançando vários outros games nesse meio tempo (como Left 4 Dead 1 e 2), sem se preocupar com o que o povo realmente quer! Eu me sinto como se estivesse em um show de rock e a banda não estivesse a fim de tocar, então os organizadores do evento estão desesperadamente tentando nos distrair com vídeos antigos da banda, enquanto garçonetes andam pela platéia distribuindo sanduíches de graça. E eu queria saber de onde eu tirei essa metáfora.

Mais um gol para o Brasil, aliás. Vamos ver se eu consigo encontrar algum coreano para zombar mais tarde.

Aliás, eu acabei de perceber que esse é o meu centésimo post. Parabéns para mim, eu acho.

A Importância do Twitter

É interessante como a idéia de ócio criativo é muito relativa. Eu passei 4 meses sem fazer absolutamente nada depois de terminar o Ensino Médio, e ainda assim curiosamente essa foi a época em que eu menos escrevi no blog. Mas por outro lado, toda vez agora que eu tenho um período de intervalo no meu trabalho, eu começop a escrever um rascunho de post novo no bloco de notas. Chega quase a ser irônico, porque isso significa que para eu ter um ócio criativo ele precisa estar no meio de uma jornada de trabalho cansativa. Ócio ininterrupto não é criativo, é vadiagem.

Tendo dito isso, deixe-me explicar melhor como minha vida está, para preparar o plano de fundo para o argumento. Basicamente, eu trabalho no Serviço de Atendimento ao Cliente de uma provedora de internet local. Sabe quando a sua internet cai, você liga para a operadora, e é atendido por um daqueles caras que você tem vontade de encher de porrada? Então, um deles sou eu. Prazer.

É interessante como você começa a ter uma visão mais ampla de uma situação quando você tem a chance de participar dos dois lados. Basicamente, toda a raiva que eu tinha dos caras de Serviço de Atendimento da minha companhia telefônica, do meu provedor de internet (que não é o mesmo para o qual eu trabalho) e semelhantes, simplesmente evaporaram. Sabe por quê? Porque eu agora também sei quais são as regras que eles seguem, sei como funciona o sistema por dentro, o que significa que eu tenho mais conhecimento da imagem completa. Sim, soa um pouco como se eu fosse facilmente manipulável, mas acredite, você só pensa isso porque não passou pela mesma experiância. Eu te desafio a trabalhar como balconista de lanchonete durante alguns meses e depois ousar xingar o cara que pôs por engano 2 colheres a mais de açúcar no seu café do que você pediu.

Mas mudando de assunto, eu estava querendo há algum tempo falar sobre o que eu realmente acho sobre o Twitter. Veja bem, eu tenho um Twitter, e uso regularmente. Posso não ser tarado como alguns dos meus amigos, que acham que devem colocar cada leve pensamento no site, resultando em 100 twittadas por dia. Mas ainda assim eu tento não passar mais de 4 ou 5 dias sem escrever alguma coisa lá, mesmo que seja algo totalmente inútil. Mas esse é exatamente o problema. O Twitter é popular, mas praticamente tudo que é publicado nele é totalmente inútil. Ou você vai me dizer que você nunca se interessou em saber a que horas o Marcelo Tas ia almoçar, a Grazi Massafera ia fazer compras, o Jô Soares ia largar um barro? (para sua própria sanidade mental, não tente visualizar esta cena)

E quem já tentou levar o Twitter a sério sabe que ele não foi criado para isso. A idéia do Twitter era basicamente ser a nova ferramente de divulgação de informações. Quando aquele avião caiu no meio do Rio Hudson, as pessoas que acessavam o Twitter ficaram sabendo disso antes mesmo que os redatores de telejornais e programas de rádio pudessem se mexer. A idéia do Twitter era que não existe melhor meio de comunicação do que o povo. E você pode ver que algumas pessoas ainda tentam fazer isso, como escritores divulgando seus novos livros, jornais dando manchetes de reportagens importantes (com o link em seguida, porque não dá pra receber muita informação de um acordo político ou um julgamento de assassinato ou um lagarto carnívoro gigante saindo do mar em apenas 140 caracteres) e políticos fazendo propaganda de suas campanhas, um item que eu realmente dispenso.

Mas comparem esse pequeno grupo com a quantia massiva de pessoas que só querem se exibir e seguir outras pessoas exibidas, e você verá que o propósito original do Twitter já sumiu completamente. Hoje em dia, o que nós queremos não é mais descobrir o que está acontecendo de relevante ao redor do mundo. Não senhor, o que nós queremos é apenas chegar ao número X de seguidores, ou então ter a satisfação de ver a pergunta que mandamos para uma celebridade ser respondida diretamente por essa celebridade, em vez de apenas por uma secretária contratada para fingir que sabe detalhes da vida pessoal e profissional desses caras (ou dessas caras, uma expressão que eu sempre achei que devia ser válida, embora “cara” seja um substantivo masculino).

É claro que, sendo um bom hipócrita, eu escrevo muitas inutilidades no Twitter, sigo meus ídolos, e vivo mandando mensagens para eles e esperando ansiosamente pela resposta. Mas ainda assim, eu costumo twittar sobre as atualizações no meu blog, sobre notícias legais que achei na internet, e sobre novidades no mundo dos games, que afinal é uma área da qual eu gosto de falar bastante. Então, sem querer parecer convencido, um bom perfil do Twitter é aquele que consegue balancear fatos relevantes com coisas do dia-a-dia, interessando assim tanto os fofoqueiros quanto aqueles que gostam de estar sempre informados.

Então, se você tem uma conta no Twitter, meu caro, contribua. Coloque coisas legais de se saber, novidades da sua cidade, coisas que até quem não te conhece goste de ler, mesmo que você não seja famoso. Ou simplesmente volte a escrever “OOOOOOIIIIIIIIEEEEEEEE GENTEEEEEEE, ACORDEI!!! Como vcs tão?? Ontem eu tive uma #Ressaca_Monstro KKKKKKKLOLROFLMAOOMG”. Eu queria realmente me lembrar quem era a celebridade que tinha twittado “Acordei. 90% dos meus seguidores acabaram de pensar ‘Foda-se'”.

Harrison Krix e Outros Autores de Réplicas

Harrison Krix. No dia em que eu for rico e famoso (eu vou ser, pensamento positivo é importante) eu preciso contatar esse cara pra algumas encomendas particulares. Quem é ele, você pergunta? Ah, ninguém em especial, eu respondo brincando, só um escultor genial que já fez grandes obras baseadas em objetos e personagens de video-games.

Eu simplesmente achei que um portfólio tão perfeito, ainda que pequeno, merecia uma menção aqui no blog. Então, vamos nessa, começando direto pelo que eu considero a melhor obra dele, uma roupa de Big Daddy (do Bioshock), que tem até mesmo uma broca funcional! Leia o resto deste post

Steampunk: Porque Vapor Pode ser Incrível

É interessante ver como a ficção científica evoluiu nas últimas décadas. Antigamente (bem antigamente), se você fazia um filme sobre uma invasão alienígena o mundo te considerava um visionário tentando algo que nunca antes foi feito. Hoje em dia, é só mais um filme em uma grande pilha podre de fracassos como Sinais e as refilmagens de Guerra dos Mundos e O Dia em Que a Terra Parou, com algumas raras exceções, como Cocoon e Contatos Imediatos do Terceiro Grau (não consigo lembrar de nenhum mais recente que seja bom).

E é mais ou menos por isso que algumas pessoas tentaram fazer subdivisões da ficção científica, criando novas variações do gênero. A variação que eu quero apresentar aqui hoje é o Steampunk. Leia o resto deste post

Análise de Avatar Publicada

Por um milagre do destino, eu tive a oportunidade de ir para uma cidade com um cinema decente, e pude assistir Avatar legendado, em Blu-ray, e o mais importante, em 3D. Leia a análise aqui.

Force Unleashed – Versão Para PC no Horizonte

Eu estava planejando fazer um post falando sobre a tecnologia desse jogo há meses, mas agora que li a notícia sobre o lançamento pra PC posso matar dois coelhos com uma cajadada só.

Bem, para quem não sabe, Star Wars: The Force Unleashed é um jogo que foi lançado para Xbox 360 e PS3 no ano passado, com uma história que se passa entre os Episódios III e IV, onde você é um aprendiz de Darth Vader que sabe controlar a Força como mais ninguém: Leia o resto deste post

Lockerz, Uma Loja Online e Tanto

Resolvi fazer esse post por eu ser um cara muito legal e solidário, que quer ajudar as pessoas. E também porque quanto mais convites eu distribuir, mais pontos eu ganho.

A história é a seguinte: hoje, um amigo meu me apresentou esse site chamado Lockerz. Eu acehi o nome meio familiar, então fui conferir o site. E é realmente o máximo.

A coisa funciona assim: é o lugar para comprar as melhores coisas a preços mais baixos, assistir a vídeos exclusivos, descobrir novas músicas, jogar os jogos mais quentes, sair com seus amigos e o melhor de tudo: ser recompensado por praticamente tudo que você faz no site. Você acumula PTZs (pontos do site) e troca por prêmios. Sem sorteio. Ou seja, se você tem pontos suficientes (cada produto tem um indicador de quantos pontos são necessários) é só clicar e fazer a encomenda.

Uuuuhhh, tantas opções...

Você ganha pontos entrando no site todo dia, convidando mais pessoas a entrar, jogando minigames uma vez por dia no site, e respondendo a perguntas diárias, além de outras coisas.

Você deve estar pensando “Bom demais para ser verdade. Por que eles estão fazendo isso?” Aparentemente, para construir uma grande comunidade formada por gente que gosta de ganhar prêmios e de comprar grandes marcas. E pra deixar a gente mais feliz ainda, já poderemos trocar nossos PTZ por produtos a partir desse mês de outubro. Sim, apesar do site ser americano, ele faz entregas internacionais. E é absolutamente fácil. Eu fiz as contas, e se eu entrar no site todos os dias, jogar os games e tudo o mais, posso ter o suficiente para comprar um iPod Touch até o fim de outubro. Membros que se inscreverem agora vão começar a explorar e ajudar a construir a comunidade antes do lançamento.

Aqui, o facebook do Lockerz: http://www.facebook.com/pages/LOCKERZ/80976158596.

A participação no site é restrita a pessoas que receberem convites. E é aí que eu entro. Se você quer participar do Lockerz, me envie um e-mail aqui e você receberá seu convite no prazo de digamos, uma semana no máximo. Aproveitem, não posso garantir que a oferta vá ficar aberta pra sempre!

Imaginando as Dez Dimensões

Bem, como vocês devem ter percebido pelo Sumindo no Tempo, eu me interesso muito por viagens temporais, teoria de universos paralelos, etc. Então, a pedidos de alguns leitores que também são meus amigos, vou postar aqui este vídeo explicando as dez dimensões. O vídeo está em inglês, mas se você tiver dificuldade para entender, eu escrevi a tradução logo embaixo: Leia o resto deste post

Que a Força Esteja Com Vocês. Mesmo.

Sabe aqueles dias em que você tem uma penca de coisas pra fazer, mas resolve deixar tudo de lado pra poder postar no blog?

É, eu não. Não tenho compromissos pendentes mesmo.

Mas enfim, quem aí é fã de Star Wars? Porque eu tenho algo aqui que vai fazer suas calças caírem: um treinador Jedi!

I have a good feeling about this...

I have a good feeling about this...

A Força está em tudo que nos cerca. Ela flui ao redor e através de nós. Está entre nós e as árvores e rochas, em torno de nosso X-Wing afundado no pântano de Dagobah, passando por nossa carteira, formigando em nossas axilas, e correndo entre os nossos ouvidos. Você pode achar que eu estou brincando, mas a única maneira de orientar a Força fora de seu corpo é guiar a Força dentro de sua cabeça. Yoda me disse isso na vez em que eu fui comer guisado na casa dele. O cozido estava ok (se você gosta de lamber criaturas do pântano), mas o conselho foi inestimável.

Yoda agora está pronto (em formato eletrônico) para ajudar a te guiar através de 15 níveis de controle da mente. O Star Wars Force Trainer é um fantástico salto pra frente na tecnologia. O fone de ouvido na verdade mede suas ondas cerebrais – ondas cerebrais essas que você vai aprender a controlar. É sério, suas ondas cerebrais vão levantar a bola no dispositivo do Star Wars Force Trainer (bem, tecnicamente o ar vai levantar, mas a força de suas ondas cerebrais é que controla a potência do ar). Esse é um brinquedo que você vai comprar para o seu filho ou irmão mais novo, e depois levar para o seu próprio quarto e nunca mais devolver. O dono do presente pode chorar, mas você vai dominar a Força. E isso é tudo que importa. Com Yoda e Star Wars Force Trainer, você não vai falhar.

Mas Como Funciona?

É muito simples: dependendo da quantidade de Midichlorians que vocês têm em suas células, cada um de vocês possui habilidades diferentes para controlar suas ondas cerebrais. Usando tecnologia sensorial, o Force Trainer pode determinar as diferenças entre as ondas alfa, beta, gama e delta presentes em seu cérebro. Você pode controlar esses estados diferentes do cérebro, usando a sua capacidade de foco para se concentrar. Um micro-chip dentro do Force Trainer então usa um algoritmo para descobrir qual o estado em que seu cérebro se encontra e, em seguida, decide a forma de levantar ou abaixar a bola com base nesse estado. É como mágica, mas do tipo de uma galáxia muito, muito distante. Leia o resto deste post

Realidade Aumentada & Project Natal

Hoje, enquanto eu estava sem nada pra fazer, assisti uma matéria na TV sobre Realidade Aumentada. Imediatamente fui pra internet procurar mais sobre o assunto e fiquei boquiaberto. Não que eu não conhecesse nada sobre isso, mas nunca me aprofundei muito.

Wheeeeeee!!!

Wheeeeeee!!!

Realidade Aumentada (RA) é uma linha de pesquisa dentro da ciência da computação que lida com integração do mundo real e elementos virtuais ou dados criados pelo computador. Atualmente, a maior parte das pesquisas em RA está ligada ao uso de vídeos transmitidos ao vivo, que são digitalmente processados e “ampliados” pela adição de gráficos criados pelo computador. Pesquisas avançadas incluem uso de rastreamento de dados em movimento, reconhecimento de marcadores confiáveis utilizando mecanismos de visão, e a construção de ambientes controlados contendo qualquer número de sensores e atuadores.

Mas chega de definir, tenho certeza de que vocês querem ver como é. Bem, o primeiro programa de RA que eu acessei foi o Virtual Mirror da produtora de óculos Ray Ban, onde você pode experimentar óculos usando só a webcam. E admito que foi beeeem divertido (e incrivelmente detalhado, os óculos até projetam sombras no meu rosto):

oculos2

Interessante... é quase como se realmente estivesse no meu rosto...

"Sr. Anderson, nos encontramos na Matrix de novo."

"Sr. Anderson, nos encontramos na Matrix de novo."

É realmente legal, é só entrar em http://www.ray-ban.com/brazil/science/virtual-mirror e baixar o programa.

Outro site muito legal é http://www.realidadeaumentada.net/, onde você imprime uma folha com um síbolo que a webcam reconhece, e a partir dele constrói um modelo 3d. Como a Senhora Vaquinha:

A Senhora Vaquinha.

A Senhora Vaquinha.

Leia o resto deste post

Scribblenauts: Um Conceito Simples, Uma Idéia Genial

Eu não tenho um Nintendo DS, mas tenho que achar uma maneira de jogar esse game.

Depois do grande sucesso de seus primeiros projetos para o Nintendo DS, a equipe da 5TH Cell resolveu pensar grande. Capitaneada pelo designer e co-fundador da empresa, Jeremiah Slaczka, a equipe desenvolveu um conceito bem original para o ambicioso Scribblenauts: um jogo de plataforma com quebra-cabeças que devem ser solucionados com o uso de palavras escritas na tela.

A mecânica se divide entre as duas telas do DS. A superior traz os indicadores importantes, e a inferior é onde a ação realmente acontece, determinada pelo toque da caneta. O objetivo é fazer com que o protagonista colete todos os itens chamados de Starites e para isto, basta que o jogador escreva o equipamento que quer que o protagonista use, e ele será criado.

Claro que obstáculos irão atrapalhar a jornada de Maxwell e aí entra o uso das palavras. Se uma Starite estiver no alto, basta por exemplo, você pode escrever “escada” para que uma apareça na tela e possa ser utilizada. E em português mesmo, já que o jogo tem suporte ao nosso idioma. A idéia é que ele reconheça inúmeros tipos de objetos, bichos, armas, instrumentos, fenômenos da natureza e até mesmo celebridades e personalidades históricas.

O pacote inicial traz mais de 200 estágios, com diferentes níveis de dificuldade que podem pedir não só a criação de itens, mas a interação entre vários deles. Tudo funciona como uma grande corrida contra o tempo para fechar a aventura, que às vezes pode limitar o número de palavras experimentadas ou coisas evocadas. São dois tipos básicos de fases: as voltadas para puzzles, como criar ferramentas para abrir uma caixa, ou de ação, como em um jogo de plataforma tradicional em que objetos devem ser criados para ultrapassar abismos ou espinhos. E também há um editor de fases bastante completo que, inclusive, permite a troca de material por Wi-Fi.

Leia o resto deste post

Sticky Light & scoreLight – O Futuro da Luz

O Lucas postou sobre isso no sclog ontem, e eu achei tão incrível que senti que precisava pôr aqui.

Sticky Light é um projeto criado por Alvaro Cassinelli, Kuribara Yusaku e Stephane Perrin do Departamento de Física informacional e Computação no Laboratório Ishikawa Komuro da Universidade de Tóquio. Só por essa introdução, você já pode perceber que aí vem algo bem legal.

Sticky Light é uma tecnologia de monitoramento 3D usando um diodo laser (baixa potência), um par de espelhos e um fotodetector não-projetor. A grande diferença dela para outras tecnologias de rastreamento é o facto de a Sticky Light não usar uma câmera ou projetor. Então, o que poderia ser feito com ela? Bem, eu pesquisei e não achei nenhum uso industrial, mas é possível acompanhar o contorno de objetos e até mesmo aumentar em tempo real, desenhos. Ou você pode construir jogos como o air hóquei ou o pinball mais incrível do mundo.

Leia o resto deste post

7 Substâncias Feitas Pelo Homem Que Riem na Cara da Física

O Lucas me passou o link para esse site, e eu achei muito legal, quem quiser pode ver o original aqui (em inglês): http://www.cracked.com/article_17476_7-man-made-substances-that-laugh-in-face-physics.html

Para quem não entende inglês, eu vou postar uma versão traduzida e resumida (e por resumida eu quero dizer que tirei as frases que tinham muito besteirol):

O universo é cheio de substâncias estranhas como metal líquido e seja lá qual for o conservante que mantém Larry King vivo. Mas a humanidade não está feliz em aceitar a estranheza da natureza quando podemos criar as nossas próprias abominações da ciência que, devido ao milagre da tecnologia, cospem na cara da natureza e a chamam de retardada.
É por isso que criamos…
  • FERROFLUIDOS

O que você tem quando você suspende nanopartículas de ferro composto em uma solução coloidal de água, óleo e um surfactante? A verdadeira resposta é ferrofluidos, porém você deve estar orgulhoso se você sabia o que “surfactante” significa (eu não sei nem se essa é a tradução certa).

Um ferrofluido é um líquido que reage a campos magnéticos em maneiras complicadas que fazem você pensar que a ciência é tanto mágica quanto potencialmente má. Eles têm múltiplas aplicações no mundo real, muitas das quais são muito incríveis, e nenhuma com que você vá se importar após ver isso:

%d blogueiros gostam disto: