Star Wars: The Force Unleashed – Ultimate Sith Edition

OK, antes de mais nada, leia o posto que eu escrevi a respeito da tecnologia e do conteúdo extra desse jogo aqui, porque eu não vou explicar de novo. Terminou? OK. A boa notícia é que as fases extras que vieram na versão para PC foram depois disponibilizadas para download para Xbox 360 e PS3. E chega a ser irônico que eu tenha feito tanta propaganda sobre o jogo chegar para PC, para acabar fazendo a análise baseado na versão de Xbox 360. Oh bem.

Force Unleashed conta a história de Starkiller, o aprendiz secreto de Darth Vader, treinado para matar o Imperador Palpatine e assim tornar Vader o novo dono da Galáxia, porque todo mundo sabe que isso tem 100% de garantia de dar certo. Depois de um tempo, Starkiller começa a ter dúvidas a respeito do que ele está fazendo, e acaba formando a aliança rebelde. Ou não. Depende do final que você escolher. Você pode ter o final do bem, onde a história tem uma conclusão satisfatória e claramente deixa aberto o começo do Episódio IV (porque o jogo se passa entre os episódios III e IV), ou o final do mal, que tem uma conclusão idiota e cria uma realidade alternativa onde Vader morre e Starkiller toma seu lugar, o que basicamente serve como o começo do conteúdo extra, que também tem um desfecho ruim.

Agora, eu quero deixar uma coisa bem clara: por mais que eu tenha gostado dos filmes do Star Wars (com a exceção do Episódio II), eu sei quando uma franquia precisa acabar. George Lucas, infelizmente, não entende isso. Ele não faz mais nenhum esforço criativo, tentando desesperadamente enfiar tantas histórias no meio do universo Star Wars quanto for possível. Como aquelas animações de computação gráfica do Clone Wars, que mais pareciam a introdução de um game. Uma introdução de algumas horas de duração, mas uma introdução ainda assim.

Julgando o game pelos seus próprios méritos, ele é extremamente divertido. Os controles são fáceis de se acostumar, e o jogo te premia com mais pontos (que você usa para comprar novos poderes) por ser criativo na hora de destruir os inimigos. Você pode usar o sabre de luz, se você for chato, sem criatividade, e não conseguir pensar de forma mais expansiva. Mas se você for inteligente e bacana, você pode usar a Força para jogar caixas em inimigos, jogar explosivos em inimigos, ou até jogar inimigos em inimigos se você for romântico, e existem bastante elementos no cenário para tornar tudo um genocídio em massa fantástico. Eu perdi a conta de quantas vezes levantei um Stormtrooper com a Força, usei raios, enfiei um sabre de luz nele (tudo isso com este mesmo Stormtrooper, ainda levitando) e por fim o joguei contra um monte de explosivos. É de longe a coisa mais terapêutica que eu já joguei (e eu já joguei Prototype).

Weeeeeeeee!!!

Uma coisa que me intriga no fim é por que você se preocupa em carregar aquela vareta brilhante quando tem todos esses poderes. Quer dizer, Luke Skywalker deveria ser um prodígio da Força, e tudo que ele conseguia fazer era tirar o sabre dele do chão depois de fazer caretas por um minuto. E agora tem esse cara que consegue limpar uma sala inteira com um espirro. É legal ver como o George Lucas é consistente.

As simulações citadas no meu outro post são sim divertidas de se ver, mas vêm em quantia menor do que eu esperava. É difícil de saber por exemplo quando uma árvore pode se desintegrar em várias farpas voando para todos os lados, e quando a árvore é aparentemente feita de titânio, não reagindo a absolutamente nada do que você faz. O mesmo se aplica às janelas, grades de metal, e praticamente qualquer coisa que apareça na sua frente.

Uma coisa você pode ter certeza. Os stormtroopers sempre vão reagir aos seus ataques, os sacos de carne.

O jogo é extremamente linear, mas isso não é uma coisa ruim. Como eu disse recentemente, linearidade tem sido muito desprezada nos últimos anos, dando espaço total aos jogos sandbox. O bom de um jogo linear é a especialização, o foco no desenvolvimento da trama e das habilidades do personagem, em vez de se focar em quanto do cenário você está disposto a encarar, tentando encontrar algo que possa te ceder um novo poder.

Se tem uma coisa que eu preciso criticar extremamente nesse jogo são os cenários dos níveis. Depois de cinco fases extremamente divertidas, o jogo resolve fazer Starkiller passar pelos mesmos planetas novamente, porque aparentemente ele esqueceu de matar algumas pessoas por lá. Sim, os níveis são diferentes, mas o cenário base é o mesmo, e quando estamos falando de Star Wars, temos dezenas de planetas que podem ser explorados, permitindo uma variedade que não é aplicada aqui.

Outra grande falha é a necessidade de quick-time events para finalizar inimigos mais fortes e chefões das fases. Para aqueles que não sabem o que é um quick-time event: quando você joga God of War, você precisa apertar alguns botões na sequência que aparece na tela, para acabar com alguns inimigos específicos, certo? Então, é isso. QTEs (Quick-Time Events) são uma das escolhas mais preguiçosas da indústria de games, porque significam basicamente que os desenvolvedores do jogo não conseguiram criar controles que permitissem ao jogador acabar com os inimigos da maneira mais incrível possível, então é preciso criar uma cena pré-preparada, onde se o jogador errar alguma coisa ele é obrigado a passar pela maldita cena de novo. Ou então ser morto instantaneamente (esse é o pior tipo).

Droga! Aperte "A"! Aperte "A"!

Além disso, existe um trecho do jogo que exige que você derrube um Destroyer (aquela nave enorme do Império) usando a Força, e seguindo as direções que o jogo manda você usar nos analógicos do controle. Mas ficou tão malfeito que eu tenho a impressão que os desenvolvedores só mantiveram aquilo no jogo porque aparecia no trailer. Eu só consegui fazer com que funcionasse direito quando ignorei totalmente as instruções da tela e passei a tentar descobrir sozinho como controlar a coisa.

Venha para miiiiim...

O conteúdo extra não tem nada de muito especial. Você vai para o Templo Jedi, para Tatooine e para Hoth, e bate em tudo que aparece na sua frente, incluindo Boba Fett, Ben Kenobi e Luke Skywalker. Eu admito que é divertido, mas não vale a pena pagar pelo download disso pela Xbox Live Arcade. Se você vai jogar no PC, ótimo, o jogo já vem com isso. Se você vai jogar no PS3, bem também, os downloads são de graça. Mas a menos que haja uma versão para Xbox 360 que já venha com o conteúdo extra (eu ouvi dizer que tem, mas não consegui encontrar) deixe isso de lado.

Frase Final: Koraaaaah… Mataaaaaah… Koraaaaah… Rahtahmaaaaaaah…

  1. Boa analise cara!

    Tambem curti muito esse jogo inclusive estou muito ansioso pelo proximo!!! da uma olhada no meu blog tenho uma analise do jogo e acabei de postar um video musical com clipes dos trailers.

  2. Can I simply just say what a comfort to discover someone that truly understands what they are discussing on the net.
    You certainly understand how to bring an issue to light and make it important.
    A lot more people ought to look at this and understand
    this side of the story. I was surprised you aren’t more popular since you most certainly have the gift.

  1. Pingback: Análise de Force Unleashed Publicada (Incluindo Conteúdo Extra) « Virtualmente Interessado

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: