Arquivo mensal: abril 2010

Análise de Alice no País das Maravilhas Publicada

Cheguei do trabalho, e estou fisicamente e mentalmente exausto. Ah, e publiquei a análise do Alice no país das Maravilhas. Aproveitem.

Anúncios

Nome Novo, Endereço Velho

Para quem estranhou quando entrou no blog, e achou que tinha entrado no site errado, deixe-me esclarecer: sim, eu mudei o nome do blog. Queria fazer isso há muito tempo, meses na verdade. Mas ainda não mudei o endereço. Basicamente porque o WordPress acabou não tendo um recurso que eu achei que seria quase que obrigatório. Em vez de simplesmente mudar o endereço do meu blog, eu preciso criar um blog novo, transferir todo o conteúdo para lá, e deletar este aqui. E o que acontece com todos aqueles acessos e links que redirecionam para cá? Ora, eles se dissipam no maldito éter.

Então eu vou manter o endereço velho por enquanto. Ao que parece, existe uma maneira de usar dois endereços diferentes ao mesmo tempo para o mesmo site, mas eu preciso pagar para isso, então ainda vou pensar se vale a pena. E caso eu acabe mudando de endereço, ainda vou tentar deixar este blog aberto por alguns meses, para que todos tenham a chance de entender o que aconteceu.

Sim, eu sei, nenhum post interessante essa semana, mas o que raios você quer? Eu estou trabalhando.

A Importância do Twitter

É interessante como a idéia de ócio criativo é muito relativa. Eu passei 4 meses sem fazer absolutamente nada depois de terminar o Ensino Médio, e ainda assim curiosamente essa foi a época em que eu menos escrevi no blog. Mas por outro lado, toda vez agora que eu tenho um período de intervalo no meu trabalho, eu começop a escrever um rascunho de post novo no bloco de notas. Chega quase a ser irônico, porque isso significa que para eu ter um ócio criativo ele precisa estar no meio de uma jornada de trabalho cansativa. Ócio ininterrupto não é criativo, é vadiagem.

Tendo dito isso, deixe-me explicar melhor como minha vida está, para preparar o plano de fundo para o argumento. Basicamente, eu trabalho no Serviço de Atendimento ao Cliente de uma provedora de internet local. Sabe quando a sua internet cai, você liga para a operadora, e é atendido por um daqueles caras que você tem vontade de encher de porrada? Então, um deles sou eu. Prazer.

É interessante como você começa a ter uma visão mais ampla de uma situação quando você tem a chance de participar dos dois lados. Basicamente, toda a raiva que eu tinha dos caras de Serviço de Atendimento da minha companhia telefônica, do meu provedor de internet (que não é o mesmo para o qual eu trabalho) e semelhantes, simplesmente evaporaram. Sabe por quê? Porque eu agora também sei quais são as regras que eles seguem, sei como funciona o sistema por dentro, o que significa que eu tenho mais conhecimento da imagem completa. Sim, soa um pouco como se eu fosse facilmente manipulável, mas acredite, você só pensa isso porque não passou pela mesma experiância. Eu te desafio a trabalhar como balconista de lanchonete durante alguns meses e depois ousar xingar o cara que pôs por engano 2 colheres a mais de açúcar no seu café do que você pediu.

Mas mudando de assunto, eu estava querendo há algum tempo falar sobre o que eu realmente acho sobre o Twitter. Veja bem, eu tenho um Twitter, e uso regularmente. Posso não ser tarado como alguns dos meus amigos, que acham que devem colocar cada leve pensamento no site, resultando em 100 twittadas por dia. Mas ainda assim eu tento não passar mais de 4 ou 5 dias sem escrever alguma coisa lá, mesmo que seja algo totalmente inútil. Mas esse é exatamente o problema. O Twitter é popular, mas praticamente tudo que é publicado nele é totalmente inútil. Ou você vai me dizer que você nunca se interessou em saber a que horas o Marcelo Tas ia almoçar, a Grazi Massafera ia fazer compras, o Jô Soares ia largar um barro? (para sua própria sanidade mental, não tente visualizar esta cena)

E quem já tentou levar o Twitter a sério sabe que ele não foi criado para isso. A idéia do Twitter era basicamente ser a nova ferramente de divulgação de informações. Quando aquele avião caiu no meio do Rio Hudson, as pessoas que acessavam o Twitter ficaram sabendo disso antes mesmo que os redatores de telejornais e programas de rádio pudessem se mexer. A idéia do Twitter era que não existe melhor meio de comunicação do que o povo. E você pode ver que algumas pessoas ainda tentam fazer isso, como escritores divulgando seus novos livros, jornais dando manchetes de reportagens importantes (com o link em seguida, porque não dá pra receber muita informação de um acordo político ou um julgamento de assassinato ou um lagarto carnívoro gigante saindo do mar em apenas 140 caracteres) e políticos fazendo propaganda de suas campanhas, um item que eu realmente dispenso.

Mas comparem esse pequeno grupo com a quantia massiva de pessoas que só querem se exibir e seguir outras pessoas exibidas, e você verá que o propósito original do Twitter já sumiu completamente. Hoje em dia, o que nós queremos não é mais descobrir o que está acontecendo de relevante ao redor do mundo. Não senhor, o que nós queremos é apenas chegar ao número X de seguidores, ou então ter a satisfação de ver a pergunta que mandamos para uma celebridade ser respondida diretamente por essa celebridade, em vez de apenas por uma secretária contratada para fingir que sabe detalhes da vida pessoal e profissional desses caras (ou dessas caras, uma expressão que eu sempre achei que devia ser válida, embora “cara” seja um substantivo masculino).

É claro que, sendo um bom hipócrita, eu escrevo muitas inutilidades no Twitter, sigo meus ídolos, e vivo mandando mensagens para eles e esperando ansiosamente pela resposta. Mas ainda assim, eu costumo twittar sobre as atualizações no meu blog, sobre notícias legais que achei na internet, e sobre novidades no mundo dos games, que afinal é uma área da qual eu gosto de falar bastante. Então, sem querer parecer convencido, um bom perfil do Twitter é aquele que consegue balancear fatos relevantes com coisas do dia-a-dia, interessando assim tanto os fofoqueiros quanto aqueles que gostam de estar sempre informados.

Então, se você tem uma conta no Twitter, meu caro, contribua. Coloque coisas legais de se saber, novidades da sua cidade, coisas que até quem não te conhece goste de ler, mesmo que você não seja famoso. Ou simplesmente volte a escrever “OOOOOOIIIIIIIIEEEEEEEE GENTEEEEEEE, ACORDEI!!! Como vcs tão?? Ontem eu tive uma #Ressaca_Monstro KKKKKKKLOLROFLMAOOMG”. Eu queria realmente me lembrar quem era a celebridade que tinha twittado “Acordei. 90% dos meus seguidores acabaram de pensar ‘Foda-se'”.

Aviso Urgente aos Leitores

Eu estava dando uma olhada em um dos meus posts mais antigos, quando de repente reparei que o vídeo do YouTube que eu tinha colocado foi removido. Já consertei esse problema no post em particular, mas eu reparei que isso tem acontecido em alguns outros posts ultimamente. Pelo visto, o YouTube resolveu passar um pente fino no banco de dados relacionado a violação de direitos autorais, ou então eu sou simplesmente muito azarado em pegar justamente os vídeos que foram removidos por acaso.

De qualquer forma, eu não tenho tempo para verificar diariamente todos os posts que já escrevi, então se você por acaso encontrar algum post com um link quebrado ou um vídeo que já não existe mais, por favor, deixe um aviso, ou comentando neste post aqui, ou me mandando um e-mail. Não custa nada ajudar os outros leitores. Bem, custa tempo. E tempo é dinheiro. Ok, custa sim, mas pare de se lamentar e faça logo.

Prazos, Trailers Forçados e Outras Coisas

Se você costuma acessar este blog com frequência, já deve saber que prazos não são algo com que eu me relacione bem (comentários sobre eu ainda não ter escrito como foi minha viagem para o Prêmio Escola Voluntária podem muito bem ir se danar, eu estou há meses perseguindo a desgraçada que fugiu com as fotos do evento, e se ela estiver lendo isto que fique claro que eu digo “desgraçada” só pelo humor, porque eu não acho realmente isso, e adoraria conversar amigavelmente, e aproveitar a chance para deixá-la inconsciente, pegar as malditas fotos e sair correndo). Eu costumo começar a escrever uma análise ou um post semanas antes de publicá-lo, porque no meio do processo de escrita eu resolvo procurar material na internet para construir melhor meu comentário, e acabo ficando perdido do mar de informações completamente irrelevantes, mas que são tão legais de se ler que não consigo parar (muito obrigado, TV Tropes).

E por isso, em vez de estudar e fazer redações atrasadas. eu estou aqui, preso na internet de novo, como um daqueles personagens do Farenheit, que era totalmente hipnotizado pela televisão e não conseguia entender que existiam outras coisas a se fazer na vida, como ler bons livros. Só que o problema é que eu também posso ler livros NA internet, o que ferra ainda mais o sistema.

Mas o caso é que eu estou navegando na web enquanto ouço à trilha sonora do Kdabra, e realmente acho que seria interessante falar a respeito do assunto. Se você não sabe, Kdabra é o nome de uma nova série de TV da Fox que tem como protagonista o ator que fazia o Diego no Rebelde (um homônimo do qual eu não tenho absolutamente nenhum orgulho). Mas, se você tem uma TV a cabo, com certeza já sabia disso, porque o que eu quero comentar aqui é como a TV a cabo é praticamente tarada na questão de fazer propaganda de novas séries (não, eu não vou comentar sobre como a série com certeza é podre, porque se você é brasileiro e tem um cérebro totalmente funcional, você sabe que qualquer produção televisiva latino-americana que não seja um telejornal e/ou não seja da TV Cultura e/ou não tenha o Marcelo Tas é obrigatoriamente pútrida). Eu não estou exagerando, o programa só vai estrear nesta semana, mas os trailers já estão passando há mais de 5 meses. Leia o resto deste post

Harrison Krix e Outros Autores de Réplicas

Harrison Krix. No dia em que eu for rico e famoso (eu vou ser, pensamento positivo é importante) eu preciso contatar esse cara pra algumas encomendas particulares. Quem é ele, você pergunta? Ah, ninguém em especial, eu respondo brincando, só um escultor genial que já fez grandes obras baseadas em objetos e personagens de video-games.

Eu simplesmente achei que um portfólio tão perfeito, ainda que pequeno, merecia uma menção aqui no blog. Então, vamos nessa, começando direto pelo que eu considero a melhor obra dele, uma roupa de Big Daddy (do Bioshock), que tem até mesmo uma broca funcional! Leia o resto deste post

%d blogueiros gostam disto: