Arquivo mensal: março 2010

Ode aos Azarados

Sabe, eu nunca consegui entender direito como é que algumas pessoas conseguem ter uma sequência bizarra de acontecimentos mais bizarros ainda acontecendo em um intervalo de tempo mínimo. Será possível que o meu dia-a-dia é tão sem graça, ou eu simplesmente sou aquele cara que só escreve sobre os acontecimentos bizarros das outras pessoas, o biógrafo que fala sobre vidas interessantes para se ausentar do fato que a vida dele é chata como o inferno e ele precisa de fatos legais para não bater a cabeça com força na quina da porta?

Seguindo a segunda linha de raciocínio, eu achei que seria interessante comentar que meu amigo Lucas é boçalmente, estupidamente, tão-intensa-que-a-maioria-das-pessoas-vai-achar-que-isso-é-inventado-e-sinceramente-eu-não-as-culpo-mente azarado. E também foi amigo o suficiente para escrever a história do dia dele e me enviar por e-mail. “Bem”, eu pensei, “isso certamente me poupa muito trabalho”. Oh deuses, como eu queria estar certo. Conhecendo o Lucas como eu conheço, eu devia ter previsto que o texto teria mais erros de escrita do que se tivesse sido feito por uma secretária irlandesa colocando no papel literalmente tudo que Hitler ditava tentando desesperadamente falar português, e resultando em um híbrido monstruoso de português com alemão e os sons estranhos que os irlandeses soltam depois de beber muita cerveja, onde aqui e ali se podia encontrar a escrita do sotaque horrendo de um anão bigodudo que resolveu destruir meio mundo simplesmente para compensar o fato de que ele próprio não podia ser alto, loiro e de olhos azuis para o seu namorado emo.

Desculpe, eu perdi minha linha de raciocínio.

Mas, finalmente, depois de algumas duras e penitentes horas editando tudo com um trator que tivesse motosserras no lugar de rodas, eu consegui algo que pudesse ser inteligível. Então, em homenagem a todas as pessoas que têm dias interessantes, ainda que terríveis, lá vai:

Eu sou azarado, acho que já descrevi os eventos dos últimos dias para todo mundo, mas eu sou repetitivo, então você que se dane.

Anteontem o dia foi péssimo, eu tinha que pegar o material para esse trabalho, e sabe quando tudo dá errado?

Eu tenho uma filosofia, quando voce erra o ônibus, é sinal de que você vai ter um dia terrível, nunca conheci alguém que pegasse o ônibus errado e subitamente descobrisse que ele para num stripclub gratuito,ou que esse ônibus em específico viaja no tempo e que a última parada é o fim dos tempos, já ouvi de um cara que pegou um ônibus espacial errado, mas ele só orbitou por algumas horas, e possivelmente perdeu o último episodio de Friends (e lembrem, não tinha DVD naquela época, raios, não tinha nem tv).

Em todo caso, ônibus errado=azar.

Pois assim que eu pensei “(Palácio do ) CATETE! EU NUNCA PASSO PELO TIETÊ INDO PRA FACULDADE!!!!” e saltei do ônibus, começou a chover, e faltava “ohmeudeusohmeudeusohmeudeus” 1 hora pro prazo de eu pegar as coisas acabar, eu não sabia onde estava, e não tinha onibus fácil (Maldita São Paulo e sua ausência de mototáxis).

Resumindo, todo molhado eu peguei um táxi (sem grana), fui até a faculdade (oh deuses, o trânsito O TRÂNSITO!!!!), peguei o material, queimei a língua (tinha um táxi me esperando, não tem como beber o leite com calma), pulei no táxi, TRÂÂÂÂNSITOOO (nesse ponto eu cheguei aos 40 reais, estou dizendo, eu sentia dores físicas nesse ponto). Chega na faculdade, entrega material, conversa com os responsáveis (e o táxi me esperando, eu quase chorava), volta pro táxi, caça bancos, MALDITO BANCO FECHADO!!! (58 reais) BANCO ABERTO!!!! (62 reais e 80 centavos). Na verdade estou exagerando, depois dos 50 reais eu morri por dentro e fiquei insensível.

Aí volto pra casa e resmungo do meu dia terrível pra minha tia, que graciosamente me lembra que ela ia me dar carona, e por eu não ter avisado a ela que eu não precisava de carona, ela não saiu com as amigas. Por minha causa. Pelo menos ela me pagou uma pizza depois.

E eu fui dormir pensando, oh bem, nada mais pode dar errado, raios, agora que esse dia estúpido acabou vou até tomar um gole de Fanta UvAAAGGHHH (nesse ponto a garrafa estorou, me sujou e sujou toda a cozinha e louça que eu tinha lavado).

Sério, a garrafa estava na geladeira há horas, ela só explodiu em mim por que em algum lugar do multiverso, tem alguém tirando um prazer extremo disso.

O bom é que assim que o dia acabou meu azar acab… oh não, não tinha acabado. Leia o resto deste post

Análise de Zumbilândia Publicada

É tão bom ir ver um filme com nada além de diversão. Normalmente eu vou ver um filme esperando que ele cumpra promessas de uma boa história, trama envolvente, personagens bem contruídos, mas alguns filmes só querem fazer o espectador rir tanto que a mandíbula cai.

E é esse o espírito do filme que satiriza o apocalipse zumbi, sabiamente chamado Zumbilândia. Leia a análise aqui.

IT’S OVER NINE THOUSAAAAND!!!

Ah, caramba, eu queria fazer esse post há meses. É idiota, curto, e não é original. Mas eu senti que simplesmente não podia perder a oportunidade.

Antes de ir ao ponto, uma atualização nas novidades. Como eu disse no último post, eu arranjei um emprego. Isso, junto com o meu cursinho pré-vestibular, está acabando com o meu horário livre, fazendo com que meu tempo para jogar, ler, assistir filmes e escrever análises das três coisas seja quase zero. O que não significa muita coisa, afinal eu já não postava com frequência antes, mas naquela época é porque eu estava jogando, assistindo e lendo muitas coisas, e não escrevendo a análise de nenhuma. Ou seja, é praticamente uma inversão de papéis. Oh, a ironia.

Mas não é um assunto tão preocupante, porque eu costumo ter uma ou duas horas quando chego do trabalho, tempo suficiente para escrever uma das muitas análises que deixei pendentes. Então eu espero conseguir tempo e iniciativa para publicar toda semana, com uma frequência regular, e já que estou sonhando acordado eu também quero uma mochila a jato para voar até o núcleo do sol e sobreviver.

Mas tendo dito isso, vamos ao ponto central. Enquanto escrevo este post, meu contador de acessos avisa que o blog chegou aos 9100 acessos. Se você gosta de procurar vídeos populares na internet, provavelmente já deve saber o que isso significa. Hehehe. Use seu poder de percepção. Isso mesmo, leitor, é mais de 9000.

Ou talvez eu deva dizer…

IT’S OVER NINE THOUSAAAAAAAAND!!!!!!!!!!

Obrigado pelos acessos!

Análise de Bioshock Publicada

Eu realmente detesto ter que analisar games que já foram lançados há muito tempo, mas visto que meu normalmente meu computador só roda direito jogos com mais de dois ou três anos de idade, eu não tenho muita escolha. Além disso, meu dinheiro é limitado (mas vai deixar de ser tanto assim agora que eu arranjei um emprego), e meu tempo também (e vai ficar pior ainda agora que eu arranjei um emprego).

Mas de qualquer forma, eu consegui uma cópia de Bioshock 2 recentemente, e achei que a única forma de analisá-lo devidamente seria falando do primeiro jogo antes. Então, aproveitem.

Análise de Ben There, Dan That! Publicada

Mas que droga, por que diabos alguns títulos de games precisam ter pontuação no final? Agora o modelo de post anunciando uma análise ficou totalmente confuso. Parece que é feito de duas frases, uma terminando no “that” e outra composta somente pelo “publicada”.

De qualquer forma…

Jogos de point’n’click morreram no mercado de games atual. O que é uma pena, porque eles eram um gênero muito bom. Então, em homenagem a uma geração de jogos interessantes, aqui vai a análise do jogo de point’n’click indie Ben There, Dan That!

Análise de Call of Juarez: Bound in Blood Publicada

Ok, imagino que já deva ser óbvio visto que eu sou um nerd, mas eu sou ridiculamente fã de filmes de faroeste. Simplesmente não me canso de ver dois caras, um com o chapéu mais legal que o outro, se encarando em um duelo no pôr do sol, simplesmente penetrando um ao outro com o olhar (não-gay), até que de repente um deles faz um gesto rápido para pegar a arma e KA-POW – o outro saca primeiro e atira, vencendo o duelo. Simplesmente nunca fica velho.

Portanto, você pode ler a análise de Call of Juarez: Bound in Blood aqui. E também pode ouvir uma das melhores música de faroeste já criada, um clássico atemporal:

Oo-ee-oo-ee-oo… Waa-waa-waaaa…

Análise de World of Goo Publicada

Sabe, eu realmente estou gostando de analisar jogos indies, porque eles quase sempre são terrivelmente originais e divertidos, e além disso não são estupidamente longos, o que permite que eu escreva uma análise sem muita demora.

Em outras palavras, análise nova de World of Goo aqui.

%d blogueiros gostam disto: