Imaginando as Dez Dimensões

Bem, como vocês devem ter percebido pelo Sumindo no Tempo, eu me interesso muito por viagens temporais, teoria de universos paralelos, etc. Então, a pedidos de alguns leitores que também são meus amigos, vou postar aqui este vídeo explicando as dez dimensões. O vídeo está em inglês, mas se você tiver dificuldade para entender, eu escrevi a tradução logo embaixo:

Um ponto (nenhuma dimensão): Nós começamos com um ponto. Tal como o ponto que nós conhecemos na geometria, ele não tem tamanho, nem dimensão. É apenas uma idéia imaginária que indica uma posição em um sistema.

1. A Primeira Dimensão – Uma Linha: Um segundo ponto, então, pode ser usado para indicar uma posição diferente, mas também é de tamanho indeterminado. Para criar a primeira dimensão, nós precisamos é de uma linha que une dois pontos quaisquer. Um objeto unidimensional tem apenas comprimento, sem largura ou profundidade.

2. A Segunda Dimensão – Uma Bifurcação: Se tomarmos agora a nossa primeira linha unidimensional e desenharmos uma segunda linha que passa pela primeira, teremos entrado na segunda dimensão. O objeto que estamos representando agora tem um comprimento e uma largura, mas é sem profundidade. Para nos ajudar a imaginar as dimensões superiores, nós vamos representar o nosso objeto bidimensional como sendo criado com uma segunda linha que se bifurca a partir do primeiro. Agora, vamos imaginar uma raça de criaturas da segunda dimensão chamada “Flatlanders”. Qual seria a sensação de ser uma forma de vida Flatlander em seu mundo bidimensional? Uma criatura bidimensional teria apenas comprimento e largura, como se fosse um desenho de uma carta de baralho incrivelmente plana. Imagine isto: um Flatlander não poderia ter um aparelho digestivo, porque a tubulação da sua boca ao seu reto o dividiria em dois pedaços! E um Flatlander tentando ver o nosso mundo tridimensional só seria capaz de perceber formas em duas dimensões cortadas. Um balão que passa pelo mundo Flatlander, por exemplo, começaria como um pequeno ponto, viraria um círculo oco que, inexplicavelmente, cresce até certo tamanho, em seguida, recua para um ponto antes de avançar para fora da existência. E nós, seres humanos tridimensionais, parecemos muito estranhos para um Flatlander.

3. Terceira Dimensão – Uma Dobra: Imaginando a terceira dimensão é mais fácil para nós, porque estamos nela em cada momento de nossas vidas. Um objeto tridimensional tem comprimento, largura e altura. Mas aqui está outra maneira de descrever a terceira dimensão: Se imaginarmos uma formiga andando através de um jornal que está deitado sobre uma mesa, podemos fingir que a formiga é um Flatlander, andando em um mundo plano bidimensional do jornal. Se o papel for dobrado ao meio, nós criamos um caminho para a nossa formiga Flatlander “magicamente” desaparecer de uma posição em seu mundo bidimensional e ser imediatamente transportada para outra. Podemos imaginar que nós fizemos isto tomando um objeto bidimensional e o dobramos, através da vertente acima, que é a nossa terceira dimensão. Mais uma vez, vai ser mais conveniente para nós imaginarmos as dimensões superiores se pudermos pensar em terceira dimensão desta maneira: a terceira dimensão é o que você “dobra” para saltar de um ponto a outro na dimensão abaixo .

4. A Quarta Dimensão – Uma Linha: Certo. As primeiras três dimensões podem ser descritas com estas palavras: “Comprimento, largura e profundidade”. Que palavra podemos atribuir à quarta dimensão? Uma resposta seria: “duração”. Se pensarmos em nós mesmos como éramos um minuto atrás, e então nos imaginar como estamos neste momento, a linha que poderíamos traçar da versão de um minuto atrás para a de agora seria uma linha na quarta dimensão. Se você pudesse ver o seu corpo na quarta dimensão, seria como uma cobra muito ondulada, com a sua versão como embrião em uma extremidade e sua versão falecida na outra. Mas como vivemos a cada momento na terceira dimensão, somos como o nosso Flatlander bidimensional. Assim como aquele Flatlander que só conseguia ver cortes bidimensionais de objetos da dimensão acima, criaturas tridimensionais só podem ver cortes tridimensionais de nossa versão quadridimensional.

5. A Quinta Dimensão – Uma Bifurcação: Um dos aspectos mais intrigantes da existência de uma dimensão empilhada em outra é que aqui nas dimensões abaixo, podemos ter consciência do nosso movimento nas dimensões acima. Aqui está um exemplo simples: se fizermos uma fita de Möbius (pegue uma longa tira de papel, adicione uma reviravolta nela e junte as extremidades com fita adesiva) e traçarmos uma linha pelo comprimento da mesma, a nossa linha estará eventualmente em ambos os lados do papel antes de se encontrar com o início dela mesma. Ao que parece, a fita tem apenas um lado, por isso deve ser uma representação de um objeto bidimensional. E isto significa que um Flatlander bidimensional viajando pela linha que acabamos de desenhar acabaria por voltar onde começou, sem nunca sentir como se tivesse deixado a segunda dimensão. Na realidade, eles estariam dando reviravoltas na terceira dimensão, mesmo que sentissem como se estivessem viajando em uma linha reta. A quarta dimensão, o tempo, é sentida como uma linha reta por nós, movendo-se do passado para o futuro. Mas essa linha reta na quarta dimensão está, como a fita de Möbius, na verdade, se torcendo e girando na dimensão acima. Então, a serpente longa e ondulante que somos nós a qualquer momento particular vai se sentir como se estivesse se movendo em linha reta no tempo, a quarta dimensão, mas na verdade haverá, na quinta dimensão, uma infinidade de caminhos para os quais poderíamos ramificar a qualquer momento. Esses ramos serão influenciados por nossa própria escolha, pela probabilidade, e pelas ações dos outros. A física quântica nos diz que as partículas subatômicas que compõem nosso mundo são geradas a partir das ondas de probabilidade, pelo simples ato de observação. Na figura que estamos desenhando de nós mesmos aqui, podemos agora começar a ver como cada um de nós está desmoronando a onda indeterminado de futuros prováveis contidos na quinta dimensão para virar a linha de quarta dimensão que estamos vivendo como “tempo”.

6. A Sexta Dimensão – Uma Dobra: E se você quisesse ir para trás, na sua própria infância, e visitar você mesmo? Podemos imaginar dobrar a quarta dimensão através da quinta, saltando para trás através do tempo e espaço para chegar lá. Mas e se você quiser chegar a um mundo onde, por exemplo, você tinha criado uma grande invenção quando era criança, que agora te fez famoso e rico? Podemos imaginar a nossa versão quadridimensional ramificando para fora do nosso momento atual para a quinta dimensão, mas não importa para onde você vai, pois a partir daqui o “grande inventor desde criança” não é uma das opções disponíveis na sua versão atual do tempo – ” você não pode chegar lá a partir daqui “- não importa o quanto a escolha, o acaso, e as ações dos outros se envolverem. Existem apenas duas maneiras pelas quais você poderia chegar a esse mundo – uma seria viajar de volta no tempo, e de alguma forma provocar os principais eventos que fizeram com que você criasse sua invenção, e em seguida, viajar pra frente na quinta dimensão para ver um dos possíveis novos mundos que poderiam existir como resultado. Mas isso seria tomar o caminho mais longo. O atalho que poderíamos tomar seria dobrar a quinta dimensão através da sexta dimensão, o que nos permite saltar de imediato, da nossa posição atual para uma quinta linha de uma dimensão diferente.

7. A Sétima Dimensão – Uma Linha: Em nossa descrição da quarta dimensão, podemos imaginar tomar a dimensão abaixo e concebê-la como um único ponto. A quarta dimensão é uma linha que pode unir o universo como era um minuto atrás, para o universo como ele é agora. Ou na maior imagem possível, poderíamos dizer que a quarta dimensão é uma linha que une o Big Bang para um dos finais possíveis do nosso universo. Agora, quando entramos na sétima dimensão, estamos a ponto de imaginar uma linha que trata de toda a sexta dimensão, como se fosse um único ponto. Para isso, temos que pensar em todas as linhas de tempo possível, o que poderia ter começado de nosso Big Bang se juntando a todos os finais possíveis para o nosso universo (um conceito que muitas vezes é referido como infinito), e tratá-los como um único ponto. Assim, para nós, um ponto na sétima dimensão seria o infinito – todos os momentos possíveis que poderiam ter ou terão ocorrido em nosso Big Bang.

8. A Oitava Dimensão – Uma Bifurcação: Quando descrevemos o infinito como sendo um “ponto” na sétima dimensão, estamos apenas imaginando parte da imagem. Se nós estamos desenhando uma linha sétima dimensão, precisamos ser capazes de imaginar o que um ponto “diferente” na sétima dimensão vai ser, porque é isso que a que a nossa linha será associada. Mas como pode haver algo mais do que o infinito? A resposta é, pode haver outras infinidades completamente diferentes criadas através de condições iniciais que são diferentes do nosso próprio Big Bang. Diferentes condições iniciais irão criar universos diferentes, onde as leis físicas como a gravidade ou a velocidade da luz não são as mesmas que as nossas, e os ramificações resultantes do início daquele universo para todas as suas terminações possíveis poderá criar uma infinidade que é completamente separada da que é associada com o nosso próprio universo. Assim, a linha que traçamos na sétima dimensão irá juntar um desses infinitos com outro. E, por mais incompreensível que a magnitude do que estamos explorando aqui possa ser, se tivéssemos que ramificar a partir dessa linha heptadimensional outra linha para outra infinidade, isso seria, então, entrar na oitava dimensão.

9. A Nona Dimensão – Uma Dobra: Como nós já exploradas, podemos saltar de um ponto em qualquer dimensão para outro simplesmente dobrando-lo através da dimensão acima. Se a nossa formiga no jornal for um Flatlander bidimensional, dobrando seu mundo bidimensional através da terceira dimensão lhe permitiria magicamente desaparecer de um lugar e aparecem em um diferente. Como agora estamos imaginando a nona dimensão, as mesmas regras se aplicam – se fôssemos capazes de instantaneamente saltar de uma linha da oitava dimensão para outra, seria porque fomos capazes de dobrar pela nona dimensão.

10. A Décima Dimensão – Um Ponto? Antes de discutirmos a primeira dimensão, poderíamos dizer que começamos com a dimensão zero, que é o conceito geométrico do ponto. Um ponto indica um local em um sistema, e cada ponto é de tamanho indeterminado. A primeira dimensão, em seguida, toma dois desses pontos e junta-los com uma linha. Quando imaginamos a quarta dimensão, era como se estivéssemos tratando a totalidade do espaço tridimensional em um determinado estado como um único ponto, e desenhássemos uma linha quadridimensional para outro ponto que representa o espaço como ele está em um momento diferente. Nós muitas vezes nos referimos à linha que acabamos de desenhar como “tempo”. Em seguida, na sétima dimensão, nós tratamos de todos os momentos possíveis que poderiam ser gerados pelo nosso “Big Bang” como se isso fosse um único ponto, e imaginamos desenhar uma linha a um ponto que representa todos os prazos possíveis para um universo completamente diferente. Agora, quando entramos na décima dimensão, temos de imaginar todas as ramificações possíveis para todos os momentos possíveis de todos os universos possíveis e tratar isso como um ponto único na décima dimensão. Ufa! Até agora, tudo bem. Mas aí é onde nós batemos num obstáculo: se nós fôssemos imaginar a décima dimensão como a continuação do ciclo, sendo uma linha, então nós vamos ter que imaginar outro ponto para o qual podemos traçar essa linha. Mas não há nenhum lugar para ir! Quando temos todas as linhas do tempo imaginado possível para todos os universos possíveis como sendo um único ponto na décima dimensão, parece que nossa jornada terminou. Na teoria das cordas, os físicos dizem que supercordas vibrando na décima dimensão são o que criam as partículas subatômicas que compõem o nosso universo, e todos os outros universos possíveis também. Em outras palavras, todas as possibilidades estão contidas na décima dimensão, o que parece ser o conceito que nós acabamos de construir para nós mesmos, quando imaginamos as dez dimensões, construídas uma sobre a outra.

Bem, acho que por hoje é só. Boa noite para todos!

Sobre diegolomac

O cara que fez o blog que você provavelmente está lendo agora.

Publicado em 20/09/2009, em Ciência e Tecnologia, Filosofia, Vídeos da Internet e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. 1 comentário.

  1. Em algum outro universo em que eu não existi, nem um chinês que em nosso universo existiu em 1764, um norueguês que sabe português escreveu este exato comentário com meu nome com dois ‘e’s neste blog. Nesse possível (se é imaginável é possível) um Ipod orbita júpiter, esse Ipod passou a existir ao acaso, naturalmente, nesse universo, ele não foi fabricado por ninguém. E Beethoven teve sua 10ª sinfonia escrita. O número pi é 5,18. (quase todo o resto desse universo é idêntico ao nosso, inclusive o fato de que ninguém fala da 10ª sinfonia de Beethoven, apesar de ela existir. Mas a minha inexistência e a do chinês trouxe poucas diferenças, com efeitos borboletas que causaram a destruição completa das ilhas Fiji).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: